Um ebó todo feito de palavras – Prefácio de Lívia Natália para o livro Nós – 20 poemas e uma Oferenda

Um ebó todo feito de palavras

Lívia Natália*

Jogando com o título do belo livro de estreia da poeta Neide Almeida, inicio esta leitura dizendo que, generosamente, a autora nos entrega mais do que prometeu. Recebemos, todas e todos, a oportunidade de testemunhar a autora arriando 21 oferendas aos pés da ancestralidade e, no mesmo gesto, as oferendas são promessas para o futuro. Estamos ante uma histórica cerimônia: os poemas se transmutaram em Ebós alimentando os 21 Eguns que acompanham Iansã, os poemas são um Ebó de pimenta da costa, que limpa a boca, afia a língua, lava a garganta e liberta o canto da poeta para nossos ouvidos.

Atenta e quieta, ouço, no poema Em mim, a lição de que é necessário ser aquela que “inventa passos para andar entre as pedras”. E eu, que sempre senti pedras mordendo-me os pés, finalmente compreendo que precisamos de outro corpo que, pela inventiva, repense os passos, já que as pedras são inescapáveis. Os nós, que também participam do título do livro Nós – 20 poemas e uma Oferenda, aparecem continuamente, trazendo, para os poemas, um sentido dúbio de coletividade e de firmeza, nos provocando a pensar sobre o que sustenta nossos passos, ideias e ideais, se fazemos mesmo parte deste “coro de insubmissões que rompem cercos de ocultamento”, como afirma a poeta em Meus Quilombos.

Somos todos corpos-quilombos, mais que corpos aquilombados, somos estes seres feitos de matéria e mistério. O ritmo melancólico dos tumbeiros ainda estão nos nossos corpos, ainda informam nossas almas, é desta travessia ancestral poetizada nos 21 textos deste livro que somos parte, e o somos graças ao que dessa travessia relata esta mulher negra-diaspórica. Neide Almeida nos dá a chance de encontrar, dentro de nós, este ritmo de navio dentro da água, este ritmo de corpos colocados dentro deste navio contra a sua vontade, mas, ante o inescapável da travessia, a poeta nos ensina a acolher e criar outras formas de ser, todas rebeladas: “Meu corpo é um campo ocupado por séculos de rebeldia, por cantos de liberdade”. É isto, somos todos insubmissos, como Neide demonstra no poema Abebé:

[…]

e singro os mesmos mares

que engoliram tantos de nós.

Mas deles ressurjo,

trajando sonhos, desejos

e forças ancestrais.

Mergulho na profundidade dos tons

de nossas peles

e sinto enegrecer ainda mais

o corpo-alma

o corpo-mente

meu canto

minha palavra.

Como já afirmei algumas vezes, sou das heranças, e Neide Almeida também é. E, quem assim se compreende, dá mais até do que recebeu. Então, o Mar que antes nos engoliu, hoje recebe nossos mergulhos, em lugar dos naufrágios de corpos, almas e subjetividades. Mergulhamos e trazemos tesouros que o Mar guardou para nós: sonhos, desejos e forças. Mais uma vez, mergulhamos, juntos com Neide, e de lá saímos banhados com um “corpo-alma”, “corpo-mente” ainda mais negros, e Neide nos diz que, para ela, enxergamos esta negritude rediviva no seu canto e na sua palavra, e ela está certa.

Neste belo livro, tudo é oferenda, e, tal como a mulher do texto final, para todos nós estas memórias estavam cobertas de poeira, numa caixa esquecida em algum lugar da nossa casa-memória. Neide Almeida reencena, para nós, o resgate destas histórias depositando, amorosamente ante nossos olhos, este ebó todo feito de palavras, e de afeto.

Lançamento: 27 de setembro (quinta-feira), 19h.

Local: Ação Educativa – Rua General Jardim 660 – Centro/ SP

Link do evento:https://www.facebook.com/events/296782637575424/

________________________________

Lívia Natália é Doutora em Literatura e Professora Adjunta de Teoria da Literatura na Universidade Federal da Bahia, já publicou cinco livros de poesias: Água Negra (Prêmio Banco Capital de Poesia/2010), Correntezas e Outros Estudos Marinhos (ed. Ogum´s Toques Negros, 2015), Água Negra e Outras Águas (Caramurê, 2016), Sobejos do Mar (Caramurê, 2017), Dia bonito pra chover (Ed. Malê – Prêmio APCA/2017) e um livro infantil: As férias fantásticas de Lili (Ciclo Contínuo Editorial, 2018).

MOSTRA DE LITERATURA NEGRA – CICLO CONTÍNUO | 16, 17 e 18 DE MARÇO

A Ciclo Contínuo Editorial realizará a Mostra de Literatura Negra em São Paulo entre os dias 16 e 18 de março. O evento contará com uma homenagem à Francisco Paula Brito, editor, jornalista e escritor brasileiro nascido e falecido no Rio de Janeiro, onde viveu de 1809 a 1861. Tido como o primeiro editor brasileiro e primeiro empresário negro de que temos notícia, sua tipografia e livraria, na qual Machado de Assis trabalhou, foi ponto de encontro dos principais intelectuais da época. Foi descobridor de vários talentos, entre eles o próprio Machado, Teixeira e Souza e etc. Paula Brito fundou cinco jornais, entre eles, ‘O Homem de Cor’ (1833), alterado posteriormente para ‘O Mulato ou O Homem de Cor’ (na Tipografia Fluminense de Brito & Cia), periódico que alcançou 80 números em 3 anos, dedicado a luta contra o preconceito de raça. Na literatura se destacou como poeta, tradutor e contista.

Durante os três dias ocorrerão mesas de debate e oficinas com destacada(o)s pesquisadora(e)s e escritora(e)s ligada(o)s à Literatura Negro Brasileira, que abordarão as múltiplas formas de expressão desta vertente que se firma na Literatura Brasileira. 
No corredor da Centro Cultural Olido será montado a feira de livros com as principais editoras Negras brasileiras. Em breve divulgaremos a lista das editoras confirmadas.Curadoria: Marciano Ventura
Equipe Produção: 
Leonardo Bento
Luciana Barrozo
Clodoaldo Paiva
Silvio Shina
Romulo dos Santos
Comunicação: Alma Preta

PROGRAMAÇÃO

SEXTA – FEIRA
16h – Abertura da Feira de Livros – Corredor da Galeria Olido
19h – Conferência – O Editor Paula Brito: uma história de resistência para novas gerações, com Oswaldo de Camargo
21h – Entrega do prêmio Concurso Nacional de Contos Ciclo Contínuo.

SÁBADO
10h – Mesa: A escritura e a poética Negra na Literatura Brasileira
Debatedor: Prof. Dr. Luis Silva (Cuti) (SP)
Debatedora: Profa. Dra. Lívia Natália (BA)
Mediadora: Luciana Barrozo

13h30 – Clube Negrita de Leitura convida: Texto e Imagem – uma conversa sobre ilustração, design e literatura.
Debatedores: Edson Ikê, Junião, Silvana Martins, Mediadora: Brunata Mires – Clube Negrita de Leitura

16h – Dimensões didáticas da Literatura Negra para a infância e juventude
Debatedora: Prof. Dra. Heloisa Pires Lima (SP)
Debatedor: Prof. Dr. Fausto Antonio (BA)
Mediador: Leonardo Bento

18h15 – Lançamento do livros:
AS FÉRIAS FANTÁSTICAS DE LILI – LÍVIA NATÁLIA
NO REINO DA CARAPINHA – FAUSTO ANTONIO
O BEABÁ DO BERIMBAU – MARCIO FOLHA (reedição)

19h – Apresentação musical: PELAMÔ, COM AKINS KINTÊ 

DOMINGO
10h – Oficina: Família leitora – mediação de leitura para formação de leitores, com: Leonardo Bento e Luciana Barrozo

13h30 – Leitura do Portfólio fotográfico “Fundo de Garrafa” de Antonio Terra (RJ); Workshop com o fotógrafo

16h – Carolina Maria de Jesus, desatando alguns nós!
Debatedora: Doutoranda Fernanda de Miranda 
Debatedora: Prof. Dra. Raffaella Fernandez
Mediador: Marciano Ventura

18h – Lançamento do livro 
MEU SONHO É ESCREVER… – CAROLINA MARIA DE JESUS

19h – Encerramento 
RENATO GAMA E AS PASTORAS DO ROSÁRIO CANTAM CAROLINA!

Essa atividade conta com o patrocínio do Programa Vai/SMC. Parceria e apoio: Centro Cultural Olido/Secretaria Municipal de Cultura – São Paulo | Alma Preta | Sá Menina | Clube Negrita de Leitura/Malokearô
 

Cuti lança livros de poemas e teatro no dia 31 de março

A Ciclo Contínuo Editoria convida para o lançamento dos livros Negrhúmus líricos (poemas) e Tenho medo de monólogo & Uma farsa de dois gumes (teatro), do escritor Cuti.

O lançamento será realizado dia 31 de março (sexta-feira), 19h, na Ação Educativa, Rua General Jardim, 660, centro – São Paulo. A entrada é franca.

Programação:

Leitura dramática da peça “Tenho medo de monólogo” – com a atriz Vera Lopes e Cuti Silva.

Apresentação lítero-musical Negrhúmus líricos” – com Mariana Per & Renato Gama.

Realização | Ciclo Contínuo Editorial
Apoio | Iná Livros – Avangi Cultural – Ação Educativa

Dia 31 de março de 2017 | 19h
Local | Ação Educativa: Rua General Jardim, 660 – Centro | São Paulo.

Sobre o autor

Cuti é pseudônimo de Luiz Silva. Nasceu em Ourinhos-SP. Formou-se em Letras (Português-Francês) na Universidade de São Paulo, em 1980. É Mestre em Teoria da Literatura (1999) e Doutor em Literatura Brasileira (2005), pelo Instituto de Estudos da Linguagem da Unicamp. Foi um dos fundadores e membro do Quilombhoje-Literatura de 1983 a 1994 e um dos criadores e mantenedores dos Cadernos Negros de 1978 a 1993, série na qual publicou seus poemas e contos em 37 dos 38 volumes lançados até 2015. Tem também publicado diversos textos em antologias, incluindo ensaios. Seus poemas já foram traduzidos para diversas línguas, entre elas, inglês, espanhol, alemão.

Sobre a coautora

Vera Lopes é atriz e também formada em Direito. Faz parte do Grupo Caixa Preta, no qual atuou nos seguintes espetáculos: Transegun, do escritor Cuti (2003), Hamlet Sincrético, criação coletiva (2005), ambas as peças com direção de Jessé Oliveira. No cinema, depois de sua estreia em O dia em Dorival encarou a guarda (1986), atuou também em Da colônia africana à cidade negra (1994), Neto perde sua alma (1998), Antes que chova (2009), dentre outros. Tem se dedicado a recitais de poesias.

Foto divulgação | Antonio Terra

Link do evento: https://www.facebook.com/events/1877927089149572/