Um ebó todo feito de palavras – Prefácio de Lívia Natália para o livro Nós – 20 poemas e uma Oferenda

Um ebó todo feito de palavras

Lívia Natália*

Jogando com o título do belo livro de estreia da poeta Neide Almeida, inicio esta leitura dizendo que, generosamente, a autora nos entrega mais do que prometeu. Recebemos, todas e todos, a oportunidade de testemunhar a autora arriando 21 oferendas aos pés da ancestralidade e, no mesmo gesto, as oferendas são promessas para o futuro. Estamos ante uma histórica cerimônia: os poemas se transmutaram em Ebós alimentando os 21 Eguns que acompanham Iansã, os poemas são um Ebó de pimenta da costa, que limpa a boca, afia a língua, lava a garganta e liberta o canto da poeta para nossos ouvidos.

Atenta e quieta, ouço, no poema Em mim, a lição de que é necessário ser aquela que “inventa passos para andar entre as pedras”. E eu, que sempre senti pedras mordendo-me os pés, finalmente compreendo que precisamos de outro corpo que, pela inventiva, repense os passos, já que as pedras são inescapáveis. Os nós, que também participam do título do livro Nós – 20 poemas e uma Oferenda, aparecem continuamente, trazendo, para os poemas, um sentido dúbio de coletividade e de firmeza, nos provocando a pensar sobre o que sustenta nossos passos, ideias e ideais, se fazemos mesmo parte deste “coro de insubmissões que rompem cercos de ocultamento”, como afirma a poeta em Meus Quilombos.

Somos todos corpos-quilombos, mais que corpos aquilombados, somos estes seres feitos de matéria e mistério. O ritmo melancólico dos tumbeiros ainda estão nos nossos corpos, ainda informam nossas almas, é desta travessia ancestral poetizada nos 21 textos deste livro que somos parte, e o somos graças ao que dessa travessia relata esta mulher negra-diaspórica. Neide Almeida nos dá a chance de encontrar, dentro de nós, este ritmo de navio dentro da água, este ritmo de corpos colocados dentro deste navio contra a sua vontade, mas, ante o inescapável da travessia, a poeta nos ensina a acolher e criar outras formas de ser, todas rebeladas: “Meu corpo é um campo ocupado por séculos de rebeldia, por cantos de liberdade”. É isto, somos todos insubmissos, como Neide demonstra no poema Abebé:

[…]

e singro os mesmos mares

que engoliram tantos de nós.

Mas deles ressurjo,

trajando sonhos, desejos

e forças ancestrais.

Mergulho na profundidade dos tons

de nossas peles

e sinto enegrecer ainda mais

o corpo-alma

o corpo-mente

meu canto

minha palavra.

Como já afirmei algumas vezes, sou das heranças, e Neide Almeida também é. E, quem assim se compreende, dá mais até do que recebeu. Então, o Mar que antes nos engoliu, hoje recebe nossos mergulhos, em lugar dos naufrágios de corpos, almas e subjetividades. Mergulhamos e trazemos tesouros que o Mar guardou para nós: sonhos, desejos e forças. Mais uma vez, mergulhamos, juntos com Neide, e de lá saímos banhados com um “corpo-alma”, “corpo-mente” ainda mais negros, e Neide nos diz que, para ela, enxergamos esta negritude rediviva no seu canto e na sua palavra, e ela está certa.

Neste belo livro, tudo é oferenda, e, tal como a mulher do texto final, para todos nós estas memórias estavam cobertas de poeira, numa caixa esquecida em algum lugar da nossa casa-memória. Neide Almeida reencena, para nós, o resgate destas histórias depositando, amorosamente ante nossos olhos, este ebó todo feito de palavras, e de afeto.

Lançamento: 27 de setembro (quinta-feira), 19h.

Local: Ação Educativa – Rua General Jardim 660 – Centro/ SP

Link do evento:https://www.facebook.com/events/296782637575424/

________________________________

Lívia Natália é Doutora em Literatura e Professora Adjunta de Teoria da Literatura na Universidade Federal da Bahia, já publicou cinco livros de poesias: Água Negra (Prêmio Banco Capital de Poesia/2010), Correntezas e Outros Estudos Marinhos (ed. Ogum´s Toques Negros, 2015), Água Negra e Outras Águas (Caramurê, 2016), Sobejos do Mar (Caramurê, 2017), Dia bonito pra chover (Ed. Malê – Prêmio APCA/2017) e um livro infantil: As férias fantásticas de Lili (Ciclo Contínuo Editorial, 2018).

Posted in Bibliodiversidade, lançamentos, Literatura, Literatura Negra, Mulheres Negras, Poemas, Resenhas and tagged , , .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *